Põe-me como selo sobre o teu coração, como selo sobre o teu braço, porque o amor é forte como a morte, e duro como a sepultura o ciúme; as suas brasas são brasas de fogo, com veementes labaredas. As muitas águas não podem apagar este amor, nem os rios afogá-lo; ainda que alguém desse todos os bens de sua casa pelo amor, certamente o desprezariam (Ct 8: 6-7; Fiel).

sexta-feira, 20 de abril de 2012

Ayres Britto, Maquiavel e a mentalidade revolucionária


Assisti estupefato à entrevista do nosso atual presidente do STF, Ayres Britto, no Jornal da Globo nesta semana. Minha perplexidade foi constatar, diante dos meus olhos, tudo aquilo que homens como Julio Severo e Olavo de Carvalho já nos têm alertado há mais de uma década.

O discurso de Ayres encarna perfeitamente o anti-cristo de Maquiavel, o Estado que se opõe a tudo aquilo que se chama Deus. A mentalidade revolucionária com todas as suas mais mesquinhas características estão ali presentes nas palavras ditas pelo Ministro. A conclusão infeliz é que nada mais há para esperarmos de um STF que há décadas tem sido montado para a defesa de uma visão revolucionária e maquiavélica e que, agora, será coroado pelo Príncipe que faltava para que o caminho seja finalmente desobstruído de todos os seus inimigos.

Antes de seguir adiante, preciso esclarecer uma diferença que é fundamental para a maioria dos leitores deste texto: profeta e revolucionário. Assumo aqui a diferença proposta pelo filósofo Olavo de Carvalho no seu ótimo livro “Maquiavel ou A confusão Demoníaca”. Profeta é aquele que vaticina o futuro revelado por Deus, enquanto o revolucionário o força, planeja o futuro e busca o seu advento por meio da influência intelectual exercida sobre um governante e sobre os candidatos a governantes. O revolucionário quer mudar a História e definí-la pela força do seu discurso. Mas o discurso é apenas o anzol com o qual se fisga o futuro, pretendendo-se instaurá-lo no presente, porque a instauração da revolução se dá pela força militar e pela imposição de leis que deflagrem essa Nova Era. E é aqui que vemos as palavras de Ayres se encaixarem perfeitamente não só com Maquiavel, mas com Gramsci e Hegel também. Do outro lado, o profeta é tão somente boca de Deus e não um usurpador do lugar de Deus pela força do Estado.

Sigo a linha de que o profeta e o revolucionário, histórica, biblica e filosoficamente, não são apenas contrários mas, principalmente, são inimigos um do outro. E, portanto, Ayres encarna a mentalidade revolucionária contra a qual os profetas são convocados por Deus a fazerem oposição. Ainda para esclarecer melhor, ofereço a definição de mentalidade revolucionária proposta pelo filósofo Olavo de Carvalho: “projeto de mudança social profunda a ser realizado mediante a concentração de poder numa elite revolucionária”. E seja o Nazismo, seja o Comunismo, seja a Nova Ordem que vem se implantando nos EUA, no Brasil e por vários outros países do mundo, esta mentalidade revolucionária é o que torna comum todos estes movimentos (que são mais do que movimentos, são uma mentalidade, uma cosmovisão).

O profeta, ao contrário do revolucionário, poderá ouvir de Deus: “Você falará, mas eles não se converterão”. E mesmo assim o profeta deve obedecer ao chamado feito por Deus. Já o revolucionário jamais dobrará a sua vontade pessoal, nem sua ânsia pela reengenharia social - esta sua cobiça por impôr o Reino de Deus pela força e pela espada - para se submeter ao controle de Deus. O anseio do revolucionário está para Barrabás, assim como o do profeta está para Jesus. O revolucionário destituirá todos os poderes vigentes, legítimos ou não, para impôr sobre o presente a sua certeza de futuro. O profeta, consciente de seu legado histórico, convencido de que há um lastro, uma tradição, uma presença histórica e interventora de Deus, ele se definirá na oposição ao revolucionário: o profeta sempre será um conservador, porque tem plena consciência de que vaticina as palavras do Deus de Abraão, Isaac e Jacó. Porque, nas palavras do filósofo Olavo de Carvalho, o "conservador é aquele que legitima suas ações em função da autoridade do passado". E todo profeta sabe que o nosso Deus permanece sendo o Deus de nossos pais. E o revolucionário, neste contexto, é exatamente aquele que não honra o seu e a sua mãe.

Então, quando Ayres diz que “O Supremo se tornou uma casa de fazer destino” e que a opinião pública, as controvérsias surgidas na imprensa sobre o papel do STF, não incomodam aos juizes, aos magistrados, é de se assustar tamanha independência de um poder que, numa democracia, tão conscientemente se desconecta do povo ao qual deveria servir e com o qual deveria se importar. 
 
A tragédia maquiavélica se instaura ainda mais quando Ayres diz, ao ser perguntado sobre o casamento gay e a questão dos aborto eugênico, para que serve o STF: Para arejar costumes, mudar paradigmas, inaugurar eras de pensamento, de sentimento coletivo, e nós somos submissos à Constituição” (grifo nosso). Ayres, com estas palavras, revela-se arauto da mentalidade revolucionária. Mas faz parte do embuste do revolucionário transvestir-se de profeta para enganar a muitos, por isso muitos entre os cristãos confundem os dois papéis e o revolucionário aproveita-se dessa confusão demoníaca. Sobre essa confusão tramada pelos revolucionários, que acabam assumindo um papel de anti-profeta, Olavo diz: “...investir-se da autoridade profética para lutar contra a Providência e tentar inverter o curso divino da História não é uma “moralidade”. Não é nem mesmo perversão política. É a rebelião metafísica, o pecado contra o Espírito Santo” (p. 46).

Assim, para que não haja dúvida da cosmovisão que molda a cabeça de Ayres, ele consegue ligar alhos com bugalhos, quando o repórter lhe pergunta o que pensa sobre a Ministra Eliana Calmon e suas duras palavras contra “os bandidos de toga”. Ayres diz: “Mas, no fundo, o que ela quer é o judiciário na vanguarda da renovação dos costumes”. A não ser que Ayres esteja afirmando que os costumes do judiciário são esses mesmos, isto é, os costumes são a bandidagem de toga e isso precisa ser renovado, na verdade, mais uma vez, ele faz um salto para nos indicar qual caminho ele seguirá à frente do STF: a revolução dos costumes. E como Ayres fará isso? Em determinado momento da entrevista, ele saca do bolso do paletó sua mont blanc e diz que ele tem apenas uma caneta e não uma varinha de condão. Mas sabemos que Ayres tem mais, muito mais do que apenas uma caneta em suas mãos. Há um STF montado para seguir adiante com a agenda revolucionária anti-cristã (e nem vou desenvolver o tema do sério risco que corre o mensalão de prescrever sem julgamento), há um Congresso fraco e débil em sua oposição ao Governo e uma “Presidenta” que corrobora com a agenda mundial do pós-cristianismo.

O caminho no Brasil e no mundo está aberto e a Mentalidade Revolucionária já faz parte da nossa cultura, mas ainda pouquíssimos acordaram para o que está acontecendo. Infelizmente, a Igreja se perde em discussões alienantes e que, na verdade, só corroboram com a mentalidade revolucionária. Um bom exemplo disso foi o artigo Deus é de Esquerda ou de Direita? Um texto de Hermes C. Fernandes e que menospreza os fatos da história, esconde escândalos terríveis muito mais satânicos e diabólicos do que qualquer mazela financiada pela chamada Direita e coloca, sorrateiramente, o comunismo como se fosse apenas o outro lado de uma moeda, uma simples outra opção. Todavia, essa manipulação absurda dos fatos também faz parte da mentalidade revolucionária. “O filósofo precisa falar da verdade com a qual ele mesmo se relaciona. Verdades que ele conhece e não um jogo de intelectualidade absurda. O filósofo deve voltar a apelar ao seu testemunho solitário e confessar da sua relação com a verdade. Precisamos voltar ao conhecimento sincero para podermos confrontar a rede de mentiras”, diz Olavo de Carvalho. É preciso discernir as mentiras e a manipulação dos fatos. Os fatos são os mesmos e eles estão à frente dos nossos olhos, mas nossos interesses pessoais, nossas ideologias, nossas cosmovisões podem manipular, distorcer e até mesmo usar os mesmos fatos ora a favor de um argumento, ora contra o mesmo argumento.

Enfim, o Príncipe já está assentado em seu trono e seus consultores e conselheiros lhe assediam diabolicamente para que ele arrogue para si não somente a autoridade de Deus, mas ele deve fazê-lo “com plena consciência de que esse Deus é inimigo dos cristãos e da humanidade em geral. Em bom português: ele deve fazer da imitação do diabo a nova forma da imitação de Deus, ao mesmo tempo que, posando ante as multidões como um novo Deus, as leve a crer que estão cultuando a Deus quando se prosternam ante o Príncipe-diabo” (p. 88).

6 comentários:

CONFERENCISTA RICARDO RIBEIRO disse...

Bravo, não podia ser melhor no conteúdo, expressão e propósito. Desnudou a contento as malfazejas articulações Imperialistas Internacionais a que se submeteu nossa, outrora, Honrada Coorte.

Paz Casal 2000.

Ricardo Ribeiro
Vosso Conservo.

Jorge Fernandes Isah disse...

Fábio,

o Brasil se arvora uma democracia, assim como no mundo, em geral, o termo democracia vem-se resumindo à uma forma de eleição quadrienal, de escolha dos governantes. Mas o fato é que, em breve, isso não será mais necessário, pois os meios para se instituir uma ditadura já estão postos à mesa. O STF, assim como todo o Judiciário, cujo papel seria zelar pelo cumprimento da lei, tem-na extrapolado, ultrapassado e, em vários casos, anulado-a em favor de um princípio individual e subjetivo do magistrado [mas que na verdade é o espírito de uma elite estatal]. O legislativo tem-se tornado facilmente em motivo de chacota e revolta dos cidadãos por culpa exclusiva da sua inoperância, preguiça, omissão, e a capacidade de se corromper até o impossível.
Uma das formas de se implantar uma ditadura é revogar à força todos os elementos relacionados à cultura judaíco-cristã [a moral e ética bíblicas, família, igreja, etc], e estabelecer pela força as metas revolucionárias de um grupo encastelado no poder. Pouco a pouco, vai-se fazendo a revolução, sem armas ou guerras, e a mente revolucionária implanta-se na sociedade sem que ela se aperceba.
Assim foi no caso do Paypal, quando o Júlio Severo teve os recursos de sua conta bloqueados pelo "clamor" ditatorial do movimento gay [não de todos os gays, que em sua maioria desconhecem Júlio Severo, mas de uma casta que diz representá-los]. Assim como, agora, a mesma casta gay está exigindo que a Avon não venda os livros do Silas Malafaia [o que, do ponto de vista espiritual pode ser benéfico, mas é imoral e feri os princípios da liberdade de expressão].
Pouco a pouco, como nos romances distópicos, as palavras, o comportamento e os costumes são redefinidos por uma elite revolucionária, numa espécie de ditadura do pensamento, onde, de todos, são exigidos uma mesma mente linear, sempre moldável e estéril, adaptada como as dunas do deserto ao sabor dos ventos, mas incapaz de produzir bons frutos. A esquerda no Brasil tem-se utilizado da novilínguagem para transtornar a cultura, a moral e a ética, transformando a verdade em mentira; a moral em imoralidade, ao ponto em que ninguém se escandaliza mais com os escândalos. Apenas a verdade, a moral, a ética e a justiça são motivos de ofensa e indignação na mente dominada pelo "senso incomum" dos rebeldes. E essa rebelião tem como objetivo destituir Deus do seu trono, e ali, sob as benesses estatais, "entronizar" um grupo seletos de "iluminados".
Paulo, em Romanos, nos diz que os homens, tendo o conhecimento de Deus, não o glorificaram como Deus, antes em seus discursos se desvaneceram, e o seu coração insensato se obscureceu... pois mudaram a verdade de Deus em mentira, e honraram e serviram mais a criatura do que o criador [1.21,25].

[continua]

Jorge Fernandes Isah disse...

[...]

Mas isso vem sendo engendrado nas últimas décadas de maneira quase silenciosa [ainda que os gritos de ordem sejam insuportavelmente altos], e a escola, como a vemos hoje, nada mais é do que instrumento de doutrinação para a "revolução".
Parabéns por tocar em assunto tão sério e que é negligenciado pela quase totalidade da igreja, que, diga-se de passagem, é outra área que tem sido cuidadosamente implodida pelos rebeldes, vide a teologia da libertação no seio católico e a teologia da missão integral entre os evangélicos, que nada mais são do que "planfetos" para a disseminação da ideologia marxista, da proclamação de um outro evangelho, e do afastamento derradeiro do homem de Deus.
Por isso, homens como Caio Fábio, Ricardo Gondim, Renê Kivitz, Padilha, Ariosvaldo Ramos, Robinson Cavalcanti, Danilo e Hermes Fernandes [que no texto citado não esconde o seu viés marxista indisfarçável], Pavarini, dentre outros, são cada vez mais lidos e ouvidos em detrimento dos verdadeiros profetas. E o seu modus operandi vai implantando uma mente revolucionária evangélica em que o Evangelho é desprezado em favor da luta de classes e de falsas conquistas sociais, verdadeiras armadilhas para prender cada vez mais o homem em si mesmo e em seu estado decaído, entregues às suas paixões infames; numa nítida objeção e rejeição ao Evangelho de Cristo. É distrair para iludir.

Grande forte abraço!

Cristo o abençoe!

PS: Republicando o seu texto no "Guerra pela Verdade".

Casal 20 disse...

Ricardo, querido, muito obrigado pelo comentário. Estamos juntos!

Jorge, obrigado pelo ótimo comentário e que não me furtarei a publicálo.

Queridos, desculpem minha demora, mas é que eu fiquei sem internet nos últimos três dias. Por isso, não vim antes. Agora, já está tudo normalizado.

Sigamos salgando!

Abraços sempre afetuosos. Fábio.

Smareis disse...

Olá Fábio,

Muito boa sua postagem.
Não assisti a entrevista.
Só posso dizer que as escrituras estão se cumprindo dia a após dia, existe tantos sinais do anti-cristo, que é difícil um ser humano com um pouco de sabedoria não perceber esses sinais.

Abraço meu amigo!

Ótima emana!

Evanir disse...

Uma vez mais obrigada pela amizade e carinho.
Desejo que você consiga realizar todos os teus
objetivos no docorrer dessa semana,
pois você merece conquistá-las.
Sou grata a Deus pois mesmo estando
faltando muito com minhas visitas
Nunca deixa de visitar meu blog.
Deus te abençoe muito por tudo .
Espero colocar em ordem minha cosmumeiras visitas
em breve.
Beijos no coração.
Evanir..

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...